Top 7 filmes franceses!


Sou apaixonada pelo mundo cinematográfico, una isso ao amor pela cultura francesa - ou melhor, pelo país em si. Agora me dê uma lista de filmes franceses e sou capaz de passar um fim de semana inteiro imersa naquele mundinho! Com isso resolvi compartilhar alguns dos meus filmes franceses favoritos com vocês e espero de verdade que gostem.

7. Thérèse Desqueyroux - Therese D.
"França, década de 1920. Thérèse (Audrey Tautou), é uma adorável e espirituosa jovem mulher que se casa com Bernard Desqueyroux (Gilles Lellouche), seu vizinho, transformando assim suas respectivas terras em uma grande propriedade. Bernard tolera a personalidade e as opiniões fortes de sua brilhante esposa, mas ela logo se vê sufocada pelo tédio de sua vida provincial e pela mediocridade intelectual de seu marido. Ela sonha com o a efervescência cultural de Paris e começa a procurar uma maneira de revolucionar sua vida."


Tautou dá um show de atuação e consegue nos passar a essência fria, amarga e seca que Therese carrega. Foi o último filme do cineasta Claude Miller, que se despediu com peso. É inegável que o feminismo existente nos questionamentos de Therese e o constante debate do cinismo da sociedade da época estão muito bem transpostos no filme.

6. Le Magasin des Suicides - A Pequena Loja de Suicídios
"Em uma cidade triste e depressiva, as pessoas não tem mais passatempos, e o comércio mais lucrativo é uma loja com produtos para suicídio. São cordas, venenos e outros instrumentos para ajudar cada cidadão a encurtar sua vida. O único problema é quando a proprietária da loja engravida e dá à luz a um filho alegre, repleto de vida. Grandes problemas esperam estes pobres comerciantes..."


A primeira vez que ouvi falar sobre essa animação quase cai da cadeira de susto, então fui pesquisar e assistir e veio a admiração. Lhes apresentou uma animação que fala sobre depressão, escancaradamente, e carrega um peso gigante de criticas sociais incríveis. E ao meu ver, uma das maiores críticas é a ideia de que uma vida só é boa se a felicidade é ininterrupta, como se a tristeza precisasse ser ignorada a todo custo. Quando, na verdade, esta faz parte da vida de todos os seres humanos. Para que todos tivéssemos essa sacada e o filme tenha impacto, os valores foram invertidos, mostrando o quão estúpido é rejeitar uma emoção só por ela não ser comum.

5. Le Fabuleux Destin D'Amélie Poulain - O Fabuloso Destino de Amélie Paulain
"Após deixar a vida de subúrbio que levava com a família, a inocente Amélie (Audrey Tautou) muda-se para o bairro parisiense de Montmartre, onde começa a trabalhar como garçonete. Certo dia encontra uma caixa escondida no banheiro de sua casa e, pensando que pertencesse ao antigo morador, decide procurá-lo ­ e é assim que encontra Dominique (Maurice Bénichou). Ao ver que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e adquire uma nova visão do mundo. Então, a partir de pequenos gestos, ela passa a ajudar as pessoas que a rodeiam, vendo nisto um novo sentido para sua existência. Contudo, ainda sente falta de um grande amor."
 

O roteiro e direção desse filme são impecáveis! Mescla humor, drama e romance de uma maneira muito peculiar. É recheado de personagens marcantes e, de quebra, temos um elenco sensacional. E nem vamos falar sobre a fotografia que é a coisa mais fofa desse mundo. O filme te faz ficar mais leve só por estar ali, assistindo. Corajoso e, o mais importante, te inspira a ser uma pessoa melhor e a encarar a vida de outra forma.

4. La Môme - Piaf Um Hino De Amor
"A vida de Edith Piaf (Marion Cottilard) foi sempre uma batalha. Abandonada pela mãe, foi criada pela avó, dona de um bordel na Normandia. Dos 3 aos 7 anos de idade fica cega, recuperando-se milagrosamente. Mais tarde vive com o pai alcoólatra, a quem abandona aos 15 anos para cantar nas ruas de Paris. Em 1935 é descoberta por um dono de boate e neste mesmo ano grava seu primeiro disco. A vida sofrida é coroada com o sucesso internacional. Fama, dinheiro, amizades, mas também a constante vigilância da opinião pública."



Primeiro, se você não conhece Edith Piaf, abra o YouTube e escute "La Vie en Rose", obrigada. Como quase todas as adaptações, sempre fazem algo além do real. Porém, mesmo com isso, fiquei muito feliz com o filme. A atuação de Marion Cotillard, que foi sensacional, surreal, e o melhor de tudo foi essa overdose de Edith Piaf. O final foi um pouco exagerado na forma como Edith foi retratada, mas foi incrível de qualquer forma. Roteiro, fotografia, a escolha das músicas... E o que dizer de todo o figurino do filme?

3. Le Petit Nicolas - O Pequeno Nicolau
"Nicolau (Maxime Godart) leva uma vida tranquila, sendo amado por seus pais e com diversos amigos, com os quais se diverte um bocado. Um dia ele surpreende uma conversa entre os pais, a qual faz com que acredite que sua mãe está grávida. Ele logo entra em pânico, pois acredita que assim que o bebê nascer ele não mais receberá atenção e será abandonado na floresta, assim como ocorre nas histórias do pequeno Poucet, de Perrault."


Um filme típico sessão da tarde francês, com uma graça e comédia contagiantes. Tenha certeza de que irá rolar de rir com o Nicolau e, a delicadeza de como mostram a mente de uma criança, é muito bem desenvolvida. Os atores mirins são muito fofos e me passou aquela sensação de que tudo aquilo era real.Vale a pena assistir esse filme!

2. La Vie d'Adèle - Azul é a Cor Mais Quente
"Adèle (Adèle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux), sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente."


Antes de entrar para os comentários sobre o filme em si, saibam que ele foi baseado em uma HQ e eu indico que leiam a HQ! Por favor. Agora o filme... Primeiro que é para maiores de 18 anos e é de temática homossexual, então já fica aqui um aviso: se não gosta, não veja. Outro ponto, as cenas de sexo são longas e parecem ter realismo, mas saibam que essa é a proposta do filme, chocar e trazer visibilidade a comunidade LGBT. É um filme sobre o descobrimento e vivência da primeira paixão profunda e toda a intensidade envolvida.

1. La Famille Bélier - A Família Bélier
Paula (Louane Emera) é uma adolescente francesa que enfrenta todas as questões comuns de sua idade: o primeiro amor, os problemas na escola, as brigas com os pais... Mas a sua família tem algo diferente: seu pai (François Damiens), sua mãe (Karin Viard) e o irmão são surdos e mudos. É Paula quem administra a fazenda familiar, e que traduz a língua de sinais nas conversas com os vizinhos. Um dia, ela descobre ter o talento para o canto, podendo integrar uma escola prestigiosa em Paris. Mas como abandonar os pais e os irmãos?


É com toda certeza um dos meus filmes favoritos do mundo todinho e, toda vez que assisto, sinto que é a primeira vez e choro como um bebê. É de um todo tão simples e real, com uma beleza tão maravilhosa do cotidiano de uma família de interior na França. O filme é sublimemente belo. A dependência que a família acaba criando em cima da única filha que se comunica fluentemente sem ser pela língua de sinais acaba te fazendo se colocar no lugar te todo os integrantes da família. Absolutamente lindo e encantador. 

E essas são as minhas indicações! Espero que gostem! Comentem se vocês já assistiram algum ou se tiverem outros para, ficarei feliz em receber e assistir! 

Um beijinho na ponta do nariz e até a próxima!

Um comentário:

  1. Já perdi a conta de quantas vezes assisti o pequeno nicolau, o filme retrata de forma engraçada exatamente o pensamento de muitas crianças na hora em que descobre que vai ter um irmão. Gostei da lista!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.